sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Amor de gente grande é assim...






Amor de corpo inteiro. Um amor que transcende, transpira, transborda.
Amor com mãos e pés. Com dedos, braços, pernas, barriga, pele e abraços.

Um amor que surpreende, sem nada inventar, sem precisar exagerar, sem ter de sempre entender. Simplesmente ser... preencher, existir!
Amor que não investiga, que não desconfia, que não acusa.

Amor de palavras, mas também de silêncio. Um silêncio que aquieta o coração, que acaricia a alma e alivia as dores! Amor que esvazia, que abre espaço, que permite.

Amor sem regras, sem pressões, sem chantagens. Amor que faz crescer.
Amor de gente grande, de coração gigante, de alma transparente.
Amor que permanece. De mim para mim, de mim para você, de você para mim.

Amor que invade respeitando, que adentra acariciando, que ocupa com leveza. Amor sem ego. Que acolhe, perdoa, reconhece.

Amor que desconhece para conhecer, que nunca lembra porque não esquece! Amor que é... assim, sem mais nem menos, sem eira nem beira, sem quê nem porquê.

Simplesmente simples, despretensioso, descontraído, desmedido. De uma simplicidade tão óbvia que arrasta, que envolve, que derrete.
De uma fluidez tão liquida que escorre, que desliza, que não cristaliza.

Amor que não se pede, que não se dá, porque já é! Para nunca precisar procurar, para nunca correr o risco de encontrar, porque já está! E o que quer que ainda possa surgir... besteira!

Fique, permita-se, comprometa-se! Simplesmente amor...

Você consegue?

Rosana Braga

10 comentários:

  1. Olá Malvadinha, estou de volta (finalmente! rs)

    E já me deparo com essa maravilha de texto, eu, com meu empirismo sentimental posso dizer que nas diferentes formas de amar, sempre existe algo de peculiar entre elas, que é o "objeto" amado, a fonte inspiradora do sentimento, seja o Pai, o filho, a namorada, o esposo, enfim... O que define esse sentimento como libertário ou cativo, é a maneira de como deixamos ele conduzir-se ou se o conduzimos, claro, não há controle sobre tal sentimento, mas podemos controlar nossas ações sobre ele, mas o que importa mesmo é sentir, deixar o amor fluir por nossos corpos e mentes e tentar mantê-lo vivo dentro de nós.

    Um Grande abraço!

    NAMASTË

    §ρΗІПЖ

    ResponderExcluir
  2. Descobri que amo feito gente grande. Seu texto me fez entender um pouquinho mais de mim e daquilo que achava que nunca alcançaria: o amor. Hoje amo sem limites, mas respeito o limite alheio. Obrigado.

    Bjos, minha querida.

    ResponderExcluir
  3. Oie,

    Obrigada pela visita!!! Volte sempre!

    Adorei seu blog!!!

    Virei mais!

    Beijocas

    ResponderExcluir
  4. Eu quero voltar a viver um amor de gente grande!!!

    ResponderExcluir
  5. Boa pergunta! Não sei se consigo...
    Quero muito viver um grande amor, mas tá difícil... cada um que me aparece...
    Bjos!!!

    ResponderExcluir
  6. Oie!!

    Tem selinho para vc lá no http://selos-borboletasnoestomago.blogspot.com/.

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Fazer amor é andar por
    Caminhos da alma
    Com o toque de um beijo
    Sem pressa...
    Sentir o roçar da mão no ombro
    Daquele que caminha ao lado,
    Acordar sempre com um
    Eu te amo,
    Renovado e sincero...
    Ver juntos o por do sol,
    Em silencio ler um livro
    Numa velha poltrona..
    Fazer amor é pisar na eternidade,
    Fazer estrelas e sentir
    O perfume das manhãs,
    Sorrisos de sol,
    Olhos de mar...
    Fazer amor é realizar sonhos,
    Viver na consistência do céu...

    Sônia Schmorantz

    Só passei para te desejar um lindo final de semana
    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Amor, amor... de qualquer jeito !!!
    Como diz a canção "qualquer maneira de amor vale a pena..."...
    Adorei seu blog.
    Passei por aqui e quero voltar !!!
    Bela coletânea de textos, viu ?
    Parabéns !
    Quando der visite meu blog também :

    http://eucaliptosnajanela.blogspot.com

    Beijo !
    Solange Maia

    ResponderExcluir
  9. A palavra mágica
    dorme na sombra
    de um livro raro.
    Como desencantá-la?
    É a senha da vida
    a senha do mundo.
    Vou procurá-la.
    Vou procurá-la a vida inteira
    no mundo todo.
    Se tarda o encontro, se não a encontro,
    não desanimo,
    procuro sempre.
    Procuro sempre, e minha procura
    ficará sendo
    minha palavra.

    Carlos Drummond

    Lindo domingo!
    abraços

    ResponderExcluir