sexta-feira, 24 de abril de 2009

Sobre humilhação



Durante uma vida a gente é capaz de sentir de tudo, são inúmeras as sensações que nos invadem, e delas a arte igualmente já se serviu com fartura. Paixão, saudades, culpa, dor-de-cotovelo, remorso, excitação, otimismo, desejo – sabemos reconhecer cada uma destas alegrias e tristezas, não há muita novidade, já vivenciamos um pouco de cada coisa, e o que não foi vivenciado foi ao menos testemunhado através de filmes, novelas, letras de música.

Há um sentimento, no entanto, que não aparece muito, não protagoniza cenas de cinema nem vira versos com freqüência, e quando a gente sente na própria pele, é como se fosse uma visita incômoda. De humilhação que falo.

Há muitas maneiras de uma pessoa se sentir humilhada. A mais comum é aquela em que alguém nos menospreza diretamente, nos reduz, nos coloca no nosso devido lugar - que lugar é este que não permite movimento, travessia?. Geralmente são opressões hierárquicas: patrão-empregado, professor-aluno, adulto-criança. Respeitamos a hierarquia, mas não engolimos a soberba alheia, e este tipo de humilhação só não causa maior estrago porque sabemos que ele é fruto da arrogância, e os arrogantes nada mais são do que pessoas com complexo de inferioridade. Humilham para não se sentirem humilhados.

Mas e quando a humilhação não é fruto da hierarquia, mas de algo muito maior e mais massacrante: o desconhecimento sobre nós mesmos? Tentamos superar uma dor antiga e não conseguimos. Procuramos ficar amigos de quem já amamos e caímos em velhas ciladas armadas pelo coração. Oferecemos nosso corpo e nosso carinho para quem já não precisa nem de um nem de outro. Motivos nobres, mas os resultados são vexatórios.

Nesses casos, não houve maldade, ninguém pretendeu nos desdenhar. Estivemos apenas enfrentando o desconhecido: nós mesmos, nossas fraquezas, nossas emoções mais escondidas, aquelas que julgávamos superadas, para sempre adormecidas, mas que de vez em quando acordam para, impiedosas, nos colocar em nosso devido lugar.

Martha Medeiros

10 comentários:

  1. è quando nos sentimos humilhados devemos rever certas coisas..
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Nossa, nunca me senti humilhada. Mas já houve uma situação em que me senti "ofendida" no trabalho. Sabe o que eu fiz? Pedi demissão no dia seguinte. O cara, que era subchefe, ficou pianinho me pedindo para ficar, pelo menos, alguns dias. Disse que sentia muito, mas tinha arrumado um emprego muito melhor e não poderia prejudicar essa chance.

    Ele realmente usava a hierarquia para se autopromover porque, na realidade, era um zero à esquerda.

    ResponderExcluir
  3. Hum, humilhação eu nunca havia sentido, mas quando vc cita dessa forma, como uma responsabilidade nossa e causada por nós mesmos, a coisa muda, muito.

    Muito bem observado e calhou no meu dia...

    ResponderExcluir
  4. A amizade é o conforto indescritível de nos sentirmos seguros com uma pessoa, sem ser preciso pesar o que se pensa, nem medir o que se diz.
    (George Eliot)

    Tenha um final de semana com muito carinho.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Canção do dia de sempre

    Tão bom viver dia a dia...
    A vida assim, jamais cansa...
    Viver tão só de momentos
    Como estas nuvens no céu...
    E só ganhar, toda a vida,
    Inexperiência... esperança...
    E a rosa louca dos ventos
    Presa à copa do chapéu.
    Nunca dês um nome a um rio:
    Sempre é outro rio a passar.
    Nada jamais continua,
    Tudo vai recomeçar!
    E sem nenhuma lembrança
    Das outras vezes perdidas,
    Atiro a rosa do sonho
    Nas tuas mãos distraídas...
    Mário Quintana

    Meus votos de um excelente final de semana, junto
    às pessoas que ama.
    Um abraço do amigo

    Eduardo Poisl

    ResponderExcluir
  6. Pois é, coisa difícil isso de ser humilhado. E é mais ou menos como foi dito mesmo, geralmente quem humilha faz para se auto-afirmar, por ter um grande complexo de inferioridade. E geralmente tenta-se humilhar aquele que está em uma situação mais vulnerável, pois fazer isso com quem pode se defender nunca dá muito certo.

    E é uma pena que tenhamos que nos defrontar com esse tipo de coisa sempre.

    Um grande abraço,
    Átila Siqueira.

    ResponderExcluir
  7. Marcela querida

    Tudo bem contigo? Olha eu aqui, outra vez... hehehe
    Vim deixar o novo atalho pro orkut, pois aquele antigo acabei deletando.

    Beijos em teu coração.

    Carol


    ( http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?uid=8485068794991045503 )

    ResponderExcluir
  8. Difícil né? Enfrentar a nós mesmos. Ao que escondemos com tanto cuidado no fundo do armário? mas... vida que segue! rsss
    bjs

    ResponderExcluir
  9. To pensando... ser e se sentir... acho que é diferente...
    Bjs.

    ResponderExcluir
  10. A humilhação fere a alma! deixa uma cicatriz muito profunda! sempre fui muito humilhada, desde criança. Pela família que me criou, e em algumas situações dais quais não consigo me esquecer ou me livrar dessas lembranças sórdidas! o JEITO É SEGUIR EM FRENTE...SEMPRE!!!

    ResponderExcluir